Artigos olímpicos vão gerar R$ 100 milhões no exterior Imprimir E-mail
Escrito por Aurea Santos | Agência de Notícias Brasil-Árabe   
Sex, 02 de Outubro de 2015 08:25

São Paulo – O Comitê Rio 2016, que organiza as Olimpíadas que vão ocorrer no Rio de Janeiro no próximo ano, espera faturar R$ 1 bilhão com a venda de produtos licenciados com a marca dos jogos. Deste total, de 7% a 10% devem vir com a venda de produtos no mercado internacional. A informação é de Sylmara Multini, diretora de Licenciamento e Varejo do comitê. A executiva participou de um evento para o segmento de varejo nesta quinta-feira (01), na capital paulista.

Até o momento, é possível comprar os produtos licenciados com a marca Rio 2016 nas seis lojas físicas que já foram abertas no Brasil e pela internet, mas somente em território nacional. As vendas online ao mercado externo irão começar em fevereiro, contou Multini à reportagem da ANBA.

O evento em São Paulo foi para apresentar aos varejistas os três mil produtos oficiais dos jogos que já estão disponíveis para comercialização. A intenção, no entanto, é chegar a oito mil itens licenciados. No total, a expectativa é que os jogos olímpicos impulsionem as vendas de 50 milhões de itens com a marca Rio 2016.

Quem esteve presente no showroom montado para os lojistas pôde ver a marca Rio 2016 estampada nos mais variados tipos de produtos, como toalhas, copos, canetas, pins, imãs, medalhas, moedas, chaveiros, chinelos, cangas e outros. Não faltaram, é claro, os bonecos de pelúcia dos mascotes oficiais dos jogos do ano que vem, Vinícius e Tom.

Para quem ainda não se acostumou com a cara dos mascotes, vale lembrar que Vinícius representa uma união de diversos animais da fauna brasileira, enquanto Tom representa a junção de diferentes espécies da flora nacional. A Honav, que é empresa com maior número de produtos licenciados dos jogos, tem a exclusividade na produção das pelúcias dos mascotes. No total, a companhia tem mais de mil produtos com a marca Rio 2016.

“Temos certeza que Vinícius e Tom vão representar cerca de 25% de nossas vendas”, afirmou Multini. Os mascotes, no entanto, não estão somente nas pelúcias, eles também enfeitam mochilas, chaveiros, toalhas e outra variedade de itens, incluindo bonecos de montar da Lego.

Segundo Multini, até o momento o Comitê Rio 2016 já fechou parceria com 52 marcas para a produção de itens licenciados, mas o objetivo é chegar a 70 empresas com direitos de produção de mercadorias para os jogos. Entre os itens para os quais o comitê ainda busca parceiros estão música, fotos, vinhos, chocolates, biscoitos, balas, chicletes e livros.

Para garantir que os produtos olímpicos não virem alvo de falsificações, o comitê está realizando um trabalho de monitoramento e combate à pirataria. “A Receita federal tem as fotos de todos os nossos produtos. Se alguém tentar entrar [no Brasil] com alguma marca que não seja oficial, ela será barrada aqui”, destacou a executiva. Multini também pediu aos varejistas que prestem atenção à autenticidade dos itens na hora de comprar dos fornecedores. “Todos os nossos produtos têm um selo holográfico. Então, é a garantia de que é um produto Rio 2016”, apontou.

Renata Lasalvia, gerente de Varejo do Comitê Rio 2016, apresentou ao público a série de desenho animado com os mascotes Vinicius e Tom. Com 32 episódios, a série é exibida pela Cartoon Network e deve ganhar as telas também da TV Globo. O objetivo é conquistar o coração e também as compras do público mirim. “Com os mascotes entrando no imaginário infantil vem mais público e mais oportunidades de vendas”, ressaltou.

Até o dinheiro nacional entrou na celebração dos jogos olímpicos. Em uma parceria com a Casa da Moeda, serão produzidas 320 milhões de moedas de R$ 1 com imagens alusivas ao evento de 2016. Já o Banco Central é o responsável pela produção de moedas colecionáveis de prata e de ouro.

De acordo com Lasalvia, a previsão é da abertura de 26 lojas oficiais dos produtos com a marca Rio 2016. Até o final deste ano, 10 lojas já devem estar funcionando. Além dos pontos oficiais, os produtos dos jogos devem estar disponíveis em mais de 40 mil locais em todo o Brasil.